O pretendente de 11 de setembro no centro de 'A mulher que não estava lá'

Que tipo de pessoa mentiria sobre ser um sobrevivente do World Trade Center? Tania Head, nome real Alicia Esteve Head e o foco do documentário 'A mulher que não estava lá' (exibida no canal Investigation Discovery hoje à noite às 20:00 e atualmente tocando no Quad Cinema), fez exatamente isso por anos e muito mais. Ela se tornou uma figura proeminente na comunidade, encontrando-se com as famílias daqueles que morreram nas Torres, contando sua história sobre ter sido afastada do desastre ardente que reivindicou a vida de seu noivo e fazendo uma lenta e dolorosa recuperação dos ferimentos que sofreu. - havia até uma placa no Tribute Center com uma citação dela.

Mas tudo foi inventado. Head nem se mudou para Nova York de Barcelona, ​​sua cidade natal, até 2003. Ela inventou o trabalho na Merrill Lynch, alegou que estava trabalhando no dia 11 de setembro, não tinha nenhum relacionamento aparente com o homem que dizia estar à beira de casar quando ele morreu na Torre Norte. Ela se tornou presidente da Rede de Sobreviventes do World Trade Center, possivelmente nunca tendo pisado nos prédios.

Trata-se de algo potente, potencialmente monstruoso, e 'A mulher que não estava lá' especula, mas nunca realmente define o assunto, embora tenha sido construída em torno de cenas de entrevistas com Head, que vão até o ponto em que suas invenções foram descobertas; quando uma repórter do New York Times estava fazendo uma matéria para o sexto aniversário do evento, ela desapareceu. O diretor Angelo Guglielmo ('O Coração de Aço') diz na declaração de seu diretor que foi Head quem o perseguiu, oferecendo a ele um acesso incrível à história dela e à dos outros sobreviventes pelos quais ela se tornou amiga. Ele acabou sendo persuadido a fazer o filme junto com um livro que ele co-escreveu com Robin Gaby Fisher.



'A mulher que não estava lá' tem a aparência mecânica de um programa de TV investigativo, completo com ilustrações no estilo do tribunal de algumas das reivindicações de Head, incluindo os detalhes de seu relacionamento inventado. Mas, apesar disso, observar como se observa um enorme acidente de trem, principalmente quando os outros sobreviventes conversam sobre seus relacionamentos com Head, como eles a admiravam ou dependiam dela e o que isso lhes custa. Um sobrevivente descobriu evidências que sugeriam que ela estava mentindo, mas não conseguiu expô-la porque tinha medo do que isso faria com o grupo que se tornara tão importante para ele. Linda Gormley, outra sobrevivente que se tornou uma das melhores amigas de Head, conta em um momento notavelmente emocionante de ser repreendida pela mulher por não ter sido suficientemente solidária, porque 'o trauma que ela sofreu foi muito pior' do que Linda havia experimentado.

Repórteres na Espanha aparecem como cabeças falantes para se aprofundar nos antecedentes de Head como filha de um dono de fábrica desonrado, sua juventude passou como uma adolescente infeliz e obesa obcecada com a América, o acidente de carro que a deixou com cicatrizes. Mas é um jornalista da Time que oferece o maior insight possível ao observar que todos queríamos ter um 11 de setembro. Significava comunidade instantânea, atenção e carinho instantâneos - uma história para contar que o tornava importante por apenas estar lá, por ter conseguido passar. Que alguém realmente tenha agido nisso, com tanta ousadia e vergonha, ainda é um pouco difícil de entender. O filme termina abruptamente com imagens de quando Guglielmo viu Head na rua em 2011. Nele, ela não fala, embora isso seja tudo o que você quer - para ela explicar o porquê, explicar como.

Principais Artigos

Categoria

Reveja

Recursos

Notícia

Televisão

Conjunto De Ferramentas

Filme

Festivais

Avaliações

Prêmios

Bilheteria

Entrevistas

Clickables

Listas

Videogames

Podcast

Conteúdo Da Marca

Destaque Da Temporada De Prêmios

Caminhão De Filme

Influenciadores