Lars von Trier diz que 'abraçou' Björk e não a assediou sexualmente, acha que o #MeToo é 'brilhante' se usado corretamente

Lars Von Trier



Vianney Le Caer / Invision / AP / REX / Shutterstock

Sete anos após ser banido de Cannes, Lars von Trier retornou ao festival de cinema mais prestigiado do mundo este ano para provocar mais uma vez controvérsia. O novo filme do diretor, 'A Casa Que Jack Construiu', causou greves e indignação por sua representação de violência gráfica. A atenção em torno de von Trier em Cannes 2018 foi dominada pela reação de Jack, mas a publicação francesa AlloCiné conseguiu que von Trier comentasse as alegações de assédio sexual feitas por Björk contra ele.



'Sabe, 90% dos jornalistas com quem falei acreditam ter assediado Björk, mas isso é ridículo porque neguei, mas ninguém o escreveu', disse von Trier. “Porque uma boa história é escrever que eu a assediei. E este não é o caso. Eu a toquei, é verdade. Eu fiz isso com todas as minhas atrizes. Porque ela estava fazendo um trabalho muito intenso: gritando, ficando doente ... então, obviamente, eu a abracei. Mas se ela acha que um abraço é assédio, acho que não vou conseguir ter sucesso sem tocar meus atores. Acho que não a toquei nos lugares errados.



Björk publicou um post no Facebook em outubro passado acusando um cineasta anônimo de assediá-la no set e puni-la quando ela não cedeu aos avanços dele. Embora o ator-músico não tenha nomeado von Trier em seu post inicial, o diretor respondeu a ela e negou o assédio que acontecia no set de seu filme, “Dancer in the Dark”. Von Trier e o produtor Peter Aalbaek Jensen admitiram a produção O filme estava cheio de tensão e culpava Björk por ser difícil no set. A atriz respondeu à negação de von Trier com mais alegações.

'Depois de cada tomada, o diretor correu até mim e passou os braços em volta de mim por um longo tempo na frente de toda a equipe ou sozinho e me acariciou às vezes por alguns minutos contra meus desejos'. Björk disse. 'Durante as filmagens na Suécia, ele ameaçou subir da varanda de seu quarto até a minha no meio da noite com uma clara intenção sexual, enquanto sua esposa estava no quarto ao lado.'

Von Trier permanece firme em sua negação da acusação de Björk. O diretor disse à AlloCiné que, apesar de apoiar o movimento anti-assédio #MeToo, ele está preocupado com a maneira como as informações e acusações se espalham na internet.

“Eu acho que o movimento MeToo é uma ideia brilhante. Se for usado da maneira certa, é algo muito importante ”, disse von Trier. “O problema é que a internet é algo que não imaginávamos que afetaria tanto nossas vidas. Ninguém pensou que isso ou aquilo pudesse acontecer. Só que algumas pessoas reprimidas em alguns países tiveram uma maneira de se dirigir ao mundo. Só estou com medo de que, se alguém disser que ela cometeu assassinato ou o que seja, ela [não] presume-se inocente até que se prove o contrário. ”

'A Casa Que Jack Construiu', de Von Trier, estréia nos cinemas dos EUA neste outono, cortesia da IFC Films. Vá para o AlloCiné para ler a entrevista completa com o diretor.



Principais Artigos

Categoria

Reveja

Recursos

Notícia

Televisão

Conjunto De Ferramentas

Filme

Festivais

Avaliações

Prêmios

Bilheteria

Entrevistas

Clickables

Listas

Videogames

Podcast

Conteúdo Da Marca

Destaque Da Temporada De Prêmios

Caminhão De Filme

Influenciadores